Weby shortcut
Youtubeplay

APRESENTAÇÃO: MISSÃO DA DRI/UFG E CAI/RC

Atualizado em 05/06/19 15:00.

A CAI (COORDENADORIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS) da Regional Catalão é vinculada a DRI (DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS) da UFG. A coordenadora da CAI /Regional Catalão é a Profa. Gabriela Rezende Fernandes e o diretor da DRI da UFG o Prof. Francisco José Quaresma de Figueiredo. Para informações detalhadas sobre as ações promovidas pela DRI, favor acessar o site www.dri.ufg.br.

Atualmente a CAI é uma representação da DRI na Regional, ou seja, os procedimentos relacionados a intercâmbios e convênios, listados abaixo, são executados na DRI. Pretende-se no ano de 2019 já iniciar algumas ações na CAI como lançamento de editais para intercâmbio e outros.

A missão maior da DRI e da CAI/Regional Catalão é promover a internacionalização na universidade. Para isso oferece e/ou divulga oportunidades de mobilidade internacional para discentes de graduação, pós-graduação, docentes e técnicos. Além disso, auxilia no desenvolvimento de atividades para que essa mobilidade possa acontecer, como cursos de idiomas, testes de certificação em idiomas e oficinas de internacionalização. Por fim, firma convênios com universidades e organizações no exterior e desenvolve também ações que têm a finalidade de tornar a universidade acolhedora ao visitante estrangeiro e que o auxiliem na sua instalação e adaptação.

De forma específica, as ações atualmente executadas pela DRI são:

1) Firmar convênios com universidades e organizações, que possibilitem mobilidade internacional a nível de graduação e pós-graduação, como:

-intercâmbio de alunos na graduação,

-mestrado e doutorado sanduíche,

-pós-doutorado,

-parcerias de docentes com universidades no exterior

Observações:

  1. i) a grande maioria das possibilidades disponíveis para auxílio na realização de mestrado ou doutorado sanduíche, assim como para estágios de pós-doutorado são relativas a editais da CAPES, CNPq ou FAPEG. Esses casos ficam sob responsabilidade da PRPG (Pró-Reitoria de Pós Graduação), não sendo a DRI responsável pela divulgação dos editais ou por qualquer procedimento referente aos mesmos.
  2. ii) há alguns editais específicos da CAPES que promovem intercâmbio na graduação (como: Marca e Brafitec), ou que promovem mobilidade internacional de estudantes de graduação, pós-graduação e docentes (como o edital da AULP) que são submetidos para apreciação da CAPES por um docente da UFG. Nesses casos, a DRI auxilia quanto à publicação do edital para seleção de discentes e também quanto aos procedimentos de rotina referentes a intercâmbio como preparação do plano de estudos e aproveitamento de disciplinas.

2) Fazer e divulgar editais referentes aos convênios firmados a fim de selecionar discentes, técnicos ou docentes para realizarem a mobilidade internacional.

3) Para os alunos estrangeiros em intercâmbio na UFG: receber o aluno, auxiliar na sua instalação, fazer a matrícula em disciplinas, fazer a compatibilização de notas para que ele tenha o aproveitamento de suas disciplinas ao voltar a sua instituição de origem, cuidar da comunicação com a universidade de origem do discente;

Para os alunos da UFG que saem em intercâmbio: auxiliar no planejamento das atividades a serem realizadas no exterior de tal forma que tudo seja aproveitado no retorno; após finalizado o intercâmbio, auxiliar quanto ao aproveitamento das disciplinas realizadas no exterior; cuidar da comunicação com a universidade no exterior.

 

4)Formar um banco de dados com informações sobre mobilidade internacional realizada na universidade (seja docente, discente ou técnico), a fim de estabelecer estratégias para fortalecer a internacionalização na universidade.

5)cuidar das passagens, bolsas, diárias e documentação de todos discentes, técnicos e docentes que tenham sido contemplados em algum edital de mobilidade internacional promovido pela DRI

6)Promover oficinas e eventos onde: i)aqueles que fizeram intercâmbio dêem depoimento sobre suas experiências ii)divulgam-se informações sobre os intercâmbios em andamento e as ações necessárias para realizá-los.

7) Desenvolver ações dentro da universidade que possibilitem ou facilitem a mobilidade internacional, como: cursos de idiomas para os técnicos, discentes e docentes da universidade; certificação em línguas (exigido em alguns editais); cursos de português para os estrangeiros que fazem intercâmbio na UFG. Essas ações são promovidas pelo curso de Letras e usualmente são realizadas através do programa IsF (Idiomas sem Fronteiras) da CAPES, que oferece também testes diagnósticos de Toefl ITP. Pelo programa IsF a CAPES fornece bolsa a docentes e alunos de pós-graduação do curso de Letras envolvidos no projeto. São ofertados também cursos de inglês por professores nativos, através do programa CAPES/Fullbright, que fornece bolsas para estrangeiros atuarem como Assistente de Ensino de Língua Inglesa (English Teaching Assistant – ETA)). O programa IsF está bem implementado em Goiânia, que conta também com bolsistas ETAs, porém na Regional Catalão, o mesmo não promove atualmente nenhuma ação. Caso a CAPES dê continuidade ao programa, pretende-se enviar no próximo edital, uma proposta que contemple a Regional Catalão.

Obs: o teste Toefl ITP, é um teste lançado pelo governo federal e comprado pelas universidades que serve apenas para diagnosticar o nível do estudante. O mesmo é usado também para definir o nível do discente para que o mesmo possa se inscrever nos cursos de inglês oferecidos pelo programa IsF. O teste Toefl ITP não é um teste oficial, ou seja, há convênios que aceitam apenas o teste Toefl oficial.

8) Promover ações que auxiliem o estudante estrangeiro na sua instalação e adaptação, como:

i)promoção de cursos de português intensivos assim que chegam a UFG.

ii)Programa convívio cultural onde tem a figura do "amigo cultural", que é um estudante de graduação ou pós-graduação da UFG que auxilia o estrangeiro a se estabelecer aqui. O discente da UFG contabiliza a ação como atividade complementar no seu curso e recebe um certificado de participação. O Programa visa a atender às necessidades dos estudantes estrangeiros desde a sua chegada, e mesmo antes disso, e, principalmente, durante a sua permanência na cidade, buscando sanar as dificuldades encontradas nos mais diferentes aspectos. O principal objetivo do Convívio Cultural é promover a integração acadêmica e social dos estudantes estrangeiros junto à comunidade local, por meio do companheirismo e da solidariedade. O programa ainda não está implementado na Regional Catalão, mas pretende-se implementá-lo assim que possível.

iii)Auxílio na sua instalação disponibilizando vaga no alojamento estudantil (quando existente) ou auxiliando na procura de vagas através do programa "Homestay UFG" ou “Hospedagem de Estudantes Estrangeiros”, que está em fase final de desenvolvimento pelo CERCOMP e possibilita técnicos, estudantes ou docentes da UFG a se inscreverem como hospedeiros para alugar quarto aos estudantes estrangeiros. O anfitrião deverá estabelecer as “regras de convivência” em sua moradia e informá-las ao hóspede, no momento do acordo, respeitando as diferenças culturais, étnicas e linguísticas. Deverá, ainda, tratar das condições referentes à hospedagem diretamente com o hóspede. O programa ainda não está implementado na Regional catalão, mas pretende-se implementá-lo assim que possível.